15 agosto 2017

Pudim de chia com mouse de manga


A minha avó adora a Tânia Ribas de Oliveira. Sabe quando é que ela faz anos, o nome dos filhos dela e eu desconfio que é capaz de saber mais sobre ela que de mim (caramba, a minha avó é quase stalker!)

A Tânia nos programas da tarde nunca come os docinhos. Porque engordam. Mas a Tânia abriu uma excepçãozinha a uns pudins de chia com manga no outro dia - disse a minha avó, que eu não tenho horário para ver nada disso. A minha avó não cozinha, mas esta é a maneira nada directa de ela me dizer - já fazias isso para eu experimentar (porque, sei lá, se a Tânia come, eu também posso).

Vai daí, e até porque eu tenho chia no armário, e como sou boa moça, fiz o pudim de chia com mouse de manga.

Inventei um bocado pus bolacha ralada por baixo e experimentei com geleia num deles em vez de mouse de manga. No final nem cheguei a provar. Espero que a Tânia continue a manter o foco ou estou bem tramada!

13 agosto 2017

ABRE OS OLHOS - E VAI VIVER



Ontem no 60 minutos deram uma reportagem sobre várias pessoas da minha geração que conseguem chegar milhares de pessoas com videos do youtube e fotos no instagram e ficarem monetariamente ricos.
Segundo eles qualquer um de nós (nós, da minha geração) tem hipótese de se tornar uma "estrela" desde que tenha o "x factor".

Hoje em dia parece-me que muita gente tem este fascínio e quer ser igual a estas pessoas ditas famosas. É a ambição por ser mais bonito/a, mais perfeito, mais popular, bem sucedido, ter uma presença nas redes sociais, receber produtos gratuitos, fazer viagens à pala. Enfim, para muitos adolescentes de hoje em dia essa exposição nas redes é quase como um pré-requisito para se estar vivo. Se ninguém os vê online, é porque não existem (o que também revela uma auto-estima bastante baixa e uma ideia distorcida daquilo que é a vida real da grande parte do planeta). Pelo menos assim pensam muitos deles. "Mas, não interessa, porque o que importa é a imagem que se passa, e não se aquilo que se é".

Mas o que é ser bem sucedido? Ser bem sucedido pode ter tantos significados diferentes.
Mais uma vez as pessoas não se questionam e aceitam o significado que a sociedade no geral deu à palavra bem sucedido e vamos embora tentar ser "isso tudo".

Isso entristece-me um bocadinho. Uma marca que promove qualquer coisa com um youtuber conhecido tem um alcance tão grande ou maior do que ter um anúncio na tv. Já para não falar que o público-alvo já está muito mais segmentado e os custos pela publicidade ainda assim são menores. A sociedade é capitalista, eles usam as marcas e as marcas usam-nos a eles, tão simples quanto isto, não deveria haver nada errado neste quadro. Só que para mim que não defendo nada disso, está tudo errado. E será que sou eu que estou errada? Não me parece.

Somos nós que escolhemos o conteúdo que vemos. Somos nós que damos ou não poder e visibilidade a estas pessoas para eles poderem reformar-se aos 30 se quiserem. Somos nós que passamos horas a ver vídeos onde não se aprende nada e que não acrescentam NADA à nossa pessoa depois de acabarmos de os ver.

A sociedade obrigou-nos a tanta coisa que nos refugiamos nas vidas (im)perfeitas destas pessoas que não se importam que o trabalho delas seja publicar grande parte da sua vida para vivermos um bocado através disso e eles assim conseguirem alcançar o que raio queiram alcançar.

Antes, as pessoas importantes eram os inventores, os matemáticos, os físicos, os filósofos, os médicos etc.
Hoje as "pessoas importantes" são as que vão aos eventos, as que vestem a marca "x", as que são conhecidas pela sua imagem mas não pelo seu valor enquanto seres humanos, salvo raras excepções (maioriamente gente velhinha). Eu sou capaz de ser um bocado extremista nesta questão mas gostava mesmo que as pessoas percebessem que somos nós que estamos a alimentar esse novo "trabalho" que é mostrar como se vive, onde se vive e como se vive. És tu e eu, que temos trabalhos cansativos e psicologicamente exigentes, que trabalhamos horas a fio, que decidimos se isto deve ou não ser considerado um "trabalho". Enquanto tu e eu ficamos sentados à secretária mais 15 minutos do nosso dia a ver outra pessoa viver, nós não vivemos

O que tem de nos levar a pensar: quem é que eu quero ser enquanto viewer , o que é que eu defendo, o que é que eu quero promover, porque ao sermos viewers temos um papel activo, porque somos nós que estamos a promover também e a contribuir para o sucesso dessas pessoas ou campanhas ou seja lá o que for.

Esta sou eu e quero ser cada vez mais exigente e regrada no que toca ao que vejo. Se não formos exigentes caímos no mesmo círculo vicioso em que todo o mundo parece estar.
Tenham a responsabilidade de pensar antes de contribuir para que o mundo se aproxime mais um bocadinho de um lugar que nunca deveria ser.

09 agosto 2017

Próxima paragem: Ilha Lilás




Eu estou sempre a pensar na próxima viagem, é a verdade. Desde que comecei a viajar em 2011 (?)
fora das minhas "viagens de rotina", alguma coisa mudou. Comprar bilhetes de avião continua a ser das coisas que mais gozo me dá fazer. E ao contrário de muita gente, voar também.

Ao princípio não era eu a organizar nem planear as viagens, até porque não sabia e não percebia nada daquilo (e tinha pavor de aeroportos com medo de perder voos ou pagar taxas ridículas etc.). Hoje gosto de tirar um bocadinho do meu tempo para explorar hipóteses de viagens.
É assim que vamos aprendendo. Cheguei à conclusão que paguei um preço alto em Novembro do ano passado quando viajei sozinha pela primeira vez, tudo porque não foi planeado com tempo. Foi outra daquelas oportunidades que apareceram e eu agarrei. Compensou pelo alojamento porque fiquei em casa de amigos.

Desta vez tinha uma semaninha de férias e estava a pensar em não fazer rigorosamente nada. Calhou em conversa com uma amiga e estamos as duas de férias mais ou menos na mesma altura. Como lhe estragaram as férias de Verão, eu pensei que se houvessem voos acessíveis talvez desse para aproveitar essa semana. Não queria ir muito longe até porque são poucos dias, e foi assim que acabámos a comprar dois bilhetes para os Açores.

Nunca fui aos Açores. Sei que o tempo é sempre um mistério e que tanto pode chover como fazer sol seja em que altura do ano for, por isso, espero que tenhamos sorte. São só uns dias para descansar, conhecer, ver montes verdes com vaquinhas, tirar fotos do Monte Brasil, ir ao Algar do Carvão, talvez fazer uma excursão marítima, ir ao Alto da Memória, conhecer Angra e a Josefa! .



03 agosto 2017

Staycation



Viajar - como já devem ter reparado - é das coisas que me dá mais gozo na vida, mas nem sempre é possível. Às vezes é preciso inventar um pouco com um orçamento bem mais baixo e arranjar outras maneiras de nos sentirmos em férias.

Aqui ficam algumas dicas:


Uma vez por ano vai a um sítio onde nunca foste



Não importa se é no fora do país ou não. Portugal tem sítios fantásticos e é um país com muitos contrastes. A verdade é que somos uns sortudos pelo clima, temos boa comida, serras, praias, neve. Há para todos os gostos e estações! Seja passear durante um dia ou até ficar por uma noite num hotel local, sair da nossa zona faz sempre bem (e parece que estivemos uma eternidade fora).


Experimenta um restaurante novo



Não tem de ser aquele onde foi a tua digital influencer preferida a semana passada e que agora está muito "in". Escolhe um que te apeteça conhecer já à muito tempo.Mesmo que não vás para uma refeição, vai para um café e um doce, uma coisa qualquer que ainda não tenhas provado.


Volta aos sítios onde foste feliz

Longe ou perto, se puderes, vai lá. Com tempo para sentar numa esplanada, comer um gelado e aproveita cada segundo.


Estás perto mas nunca lá foste? Vai!


Há tantos sítios por onde escolher. Por exemplo, nunca tinha ido ao Palácio de Monserrate até à bem pouco tempo. Juntámos um grupo de amigos e fomos todos.


Experimenta!


Agora há inúmeras empresas com excursões por aí de caminhadas, visitas e experiências. No dia em que fui a Monserrate fiz uma caminhada de 14 kms por sítios onde nunca tinha andado. Há sítios que valem a pena. Não tem de ser uma caminhada, pode ser um Jogo de Fuga de Salas por exemplo, uma aula de kite-surf ou um workshop daqueles que andas à muito tempo para fazer (e sempre a adiar).


Aprende



Conhecimento geral nunca fez mal a ninguém. Há maneiras muito divertidas de aprender coisas random. Todos os dias vejo os stories do Fe Pacheco no instagram. Ontem falou sobre chá (caramba, foi uma portuguesa que levou o chá para Inglaterra, pode isso Arnaldo? e da Inglaterra para a China, depois houve a guerra do Ópio - na verdade foram duas ) - e eu podia continuar aqui a divagar sobre chá, flamingos ou porque é que o pólo Norte se chama pólo Norte, mas vão lá e sigam-no  e aprendam qualquer coisa nova todos os dias



























Praia


Não são as Caraíbas, e pode nem ser o Algarve, mas há muitas praias  em Portugal para descobrir. Enche um carro com amigos que estejam de férias e façam-se à estrada.

No fundo, o importante é sair da rotina e acabar o dia feliz.